logo      
Era Uma Vez

Entre Onomatopeias, Sustos e Muito Aprendizado

Menino fazendo sinal de silêncio com um dos dedos na boca
– Ops! Desculpa aí, Maria Eduarda, foi sem querer.

Carlos Henrique andava sempre correndo, mas sabia se desculpar quando estava errado, como na ocasião em que quase caiu em cima da colega ao passar correndo por ela.

– Hã? O que aconteceu? Ah, nem liga, sei que foi sem querer, mas toma cuidado da próxima vez.

Maria Eduarda, apesar de distraída, era bem compreensiva quando estava de bom humor como naquele belo dia ensolarado.

Carlos Henrique e Maria Eduarda eram alunos da professora Marli, que gostava sempre de passear entre as crianças na hora do intervalo.

Naquele dia, porém, a professora estava com um ar muito diferente. Na realidade, ela estava descontente com as dificuldades de seus alunos na hora de escrever e, caminhando bem devagar, pensava numa forma de resolver esse problema de uma vez por todas.

– Screeech! Cuidado! – Vaguinho grita e assusta a professora que, num impulso, deu o maior pulo para o lado – Foi mal, professora, não quis assustar a senhora, mas tive que frear bem rápido o meu carrão novo!

A professora iria reclamar muito do baita susto que levou, mas – Triiiiiiim – foi interrompida pelo sinal da escola, momento em que todas as crianças saíram correndo para formar fila no pátio.

Ao entrar na sala de aula com seus falantes alunos, a professora Marli já tinha uma ideia muito legal para mostrar aos alunos a importância de escrever.
– Shhhhh! Shhhhh!

Aos poucos, os alunos foram percebendo que a professora estava pedindo silêncio, mas João Gustavo continuava eufórico conversando com um de seus colegas.

– Shiu! – O menino levou o maior susto, mas percebeu que a professora, dessa vez, estava exigindo silêncio.

– Gente, hoje nós vamos escrever algumas onomatopeias – a simpática professora afirma procurando manter a ordem na sala.

– Onoma o quê? – Ana Luísa nunca tinha ouvido aquela palavra antes.

– Onomatopeia. Ora, gente, eu ouvi vocês falarem tantas onomatopeias hoje.... Vamos lá, quero exemplos. Vaguinho, como era mesmo o barulho do freada que você deu em seu carro hoje?

– Ah, professora, eu já pedi desculpas, foi sem querer, eu juro que não queria assustar a senhora.

Ahhh! Aquele menino sempre queria dar um jeitinho de não responder as perguntas, mas a experiente professora Marli não deixava barato:

– Vaguinho, não estou acusando você de nada e já o desculpei, mas quero que você fale para seus colegas como era o barulho da freada de seu carro, para a gente então entender o que é uma onomatopeia.

– Ah, então é isso, isso que é onoma...to... Como é mesmo que é a palavra?

– O-no-ma-to-pei-a, ou seja, a maneira como falamos e escrevemos gritos, vozes de animais, sons da natureza etc.

– Ah, entendi, é assim, professora: Screeech!

Vaguinho finalmente entendeu e, junto com eles, todos os demais alunos: Ahhh!

Os alunos estavam aliviados e atônitos ao mesmo tempo, pois como poderiam saber que até aqueles sonzinhos que eles faziam com a boca poderiam ser escritos?

– Eu conheço um som que é bem legal, professora! – Ana Júlia também queria participar da aula – É assim: Vrom! Vrom! 

Bom, a pobre menina acabou engasgando bem na hora de imitar o som da partida de um carro, mas acabou dando certo.

– Calma, gente, cada um de uma vez – a professora precisava organizar a turma que estava eufórica com a nova descoberta.

Carlos Henrique, Maria Eduarda, Vaguinho, João Gustavo, Ana Luísa e todos os demais alunos...

Nossa, cada um sabia imitar um som diferente, mas para que aquele conhecimento ficasse registrado, a professora pediu que eles escrevessem os sons e compartilhassem com os demais colegas até o final da aula.

Assim, aquele dia ficou marcado para sempre na memória daquelas crianças e da professora Marli, pois, agora, seus alunos descobriram que escrever também poderia ser divertido e muito, muito, mas muito engraçado mesmo!

Erika de Souza Bueno: Coordenadora Pedagógica do Planeta Educação. Professora e consultora de Língua Portuguesa pela Universidade Metodista de São Paulo. Articulista sobre assuntos de língua portuguesa, educação e família. Editora do Portal Planeta Educação (www.planetaeducacao.com.br). E-mail: Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo..

Fonte da Imagem: Corbis.

Planneta - Todos os direitos reservados