logo      
Era Uma Vez

O Primeiro Lugar da Fila

Menina de cabelos pelo ombro de braços cruzados
O sinal toca e as crianças saem, exautadas, correndo para formarem fila.

Fabiana quer ser a primeira da fila e, por isso, deixa as amigas para trás e sai disparadamente em direção ao pátio da escola.

Pronto! Ela tinha conseguido mais uma vez. Todos os dias era assim, ela, mais rápida do que as amigas, conseguia sempre o primeiro lugar da fila.

– Ai, Fabiana, tinha que ser você mesma, de novo é a primeira da fila – Carina, uma de suas amigas, reclama desanimada.

– Paciência, que culpa eu tenho de ser a mais esperta e a mais rápida?

Fabiana, de fato, se achava mesmo a mais esperta da turma, sempre procurando chegar primeiro na fila da merenda, na hora de ir embora... Ser a primeira era o que importava para ela.

Sem que ninguém percebesse, a professora Maria Lúcia se aproxima da fila e diz:

– Pessoal, silêncio, hoje nós vamos fazer diferente, vamos pedir que o últmo da fila seja o primeiro, combinado?

Os alunos ficaram espantados, pois, afinal de contas, aquilo nunca tinha acontecido antes.

Ricardo, o último da fila, ficou empolgado, pois era a primeira vez que ele iria segurar nas mãos da professora para guiar os alunos até a sala de aula. Só quem não gostou nadinha disso era Fabiana, que não perdeu tempo para protestar:

– Mas, professora, eu é que sou a primeira, sempre foi assim, eu não quero sair do meu lugar.

A menina falava com uma voz que dava até dó, mas a professora não estava disposta a negociar aquela decisão. Então, carinhosamente, explica:

– Fabiana, eu sei disso, e é por isso mesmo que quero que hoje você ceda o seu lugar para seu colega que, igual a você, também está na fila.

Fabiana fez um bico tão grande, mas tão grande que parecia uma tromba. Não teve jeito, teve que deixar o Ricardo ficar em seu lugar.

Ao pegar na mão da professora, Ricardo olha para cima e dá um sorrisinho tímido, que é retribuído também pela simpática professora.

Já na sala de aula, a professora explica para os alunos que nem sempre na vida o mais importante é ser o primeiro, pois todo mundo tem direitos iguais para tentar fazer o que quiser e nós, como amigos, devemos ajudá-lo.

Bom, não foi tão fácil convencer Fabiana que o primeiro lugar também pode ser do outro, mas, com o tempo, ela foi perdendo a vontade de deixar as amigas falando sozinhas para correr para a fila, pois, se a professor quisesse, seria tudo perda de tempo.

Fabiana foi aprendendo mais. Com o tempo, percebeu que, às vezes, quem chega primeiro nem sempre é o mais feliz, pois sempre vive querendo ser melhor que as demais pessoas.

Ela aprendeu, também, que a vida é muito melhor quando a gente sabe compartilhar o quem, nem que seja um lugar na fila da escola.

Erika de Souza Bueno: Coordenadora Pedagógica do Planeta Educação. Professora e consultora de Língua Portuguesa pela Universidade Metodista de São Paulo. Articulista sobre assuntos de língua portuguesa, educação e família. Editora do Portal Planeta Educação (www.planetaeducacao.com.br). E-mail: Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo..

Fonte da Imagem: Corbis.

Planneta - Todos os direitos reservados