logo      
Era Uma Vez

A Pasta Dental Reclamona

Menino japonês escovando os dentes
Felipe acordou cedo, mas ainda estava muito sonolento quando sua mãe falou:

– Vai lavar seu rosto, menino!

Ainda muito mole, foi para o banheiro, pegou a escova, mas quando foi apertar o tubinho da pasta, ela exclamou mal-humorada:

– Nossa, logo cedo você já vem me apertando? O dia nem clareou direito e está aqui você de novo, e de novo e de novo...

Felipe levou o maior susto da vida dele, nunca imaginou que a pasta dental falasse e, muito menos, que a pasta falasse tanto.

Ainda estava de boca aberta de tanto medo quando sua mãe falou novamente:

– Felipe, você já escovou os dentes? Não estou ouvindo barulho da água.

– Não posso escovar os dentes agora, mãe, a pasta está reclamando que é muito cedo. 

Felipe tentou explicou para a mãe, mas...

– Ora essa, menino, pare de brincadeira e escove logo esses dentes para ir para a escola.

Bom, cá entre nós: quem acreditaria numa história dessa, não é mesmo? A mãe de Felipe também não poderia acreditar.

Nesse momento, a pasta voltou a falar com ele:

– Ah, está vendo o que dá de tentar colocar a culpa em mim? Sua mãe não acreditou, e quer saber do que mais? Já que não tem outro jeito, me pegue logo, escove logo seus dentes porque quero voltar a dormir.

A pasta reclamona começou a ordenar, a ordenar e a ordenar até que Felipe sentiu-se vencido:

– Bom, dona pasta, desculpe aí, eu não sabia que a senhora falava e muito menos que reclamava quando eu vinha aqui escovar os meus dentes.

Felipe disse isso e começou a apertar bem devagar a barriguinha gorda da pasta, passando na escova e levando até a boca.

– Ai, que engraçado, por um acaso quer me fazer cócegas? Estou com cara de quem está com vontade de rir? Olha aqui, menino, eu estou avisando, vê se de agora em diante aprenda a lição de tratar direito as coisas que fazem bem a você, viu?

A pasta reclamona não perdia uma oportunidade de falar com Felipe, reclamar e se impor com autoridade. Que pasta mais abusada, não acha?

Felipe não tinha alternativa, então disse:

– Ah, pode deixar, dona pasta, não vou mais tratar a senhora com raiva porque tenho que acordar cedo todos os dias, até mesmo porque a senhora também acorda cedo.

Felipe, esperto, tentou resolver aquela situação para nunca mais ter que conversar com uma pasta dental dentro do banheiro da própria casa, mas a pasta reclamona estava irredutível:

– Ah, agora chega, já escovou seus dentes, agora vai para escola, vai, quero tirar meu merecido cochilo...

Felipe aprendeu a lição. Daquele dia em diante, pensava duas vezes antes de apertar a pasta dental com muita força pelo simples fato de sentir raiva de acordar cedo e ter que escovar os dentes para ir à escola.

A partir daquele momento, ele sabia que escovar os dentes poderia ser até engraçado, principalmente quando se tem que conversar com uma pasta reclamona.

Erika de Souza Bueno: Coordenadora Pedagógica do Planeta Educação. Professora e consultora de Língua Portuguesa pela Universidade Metodista de São Paulo. Articulista sobre assuntos de língua portuguesa, educação e família. Editora do Portal Planeta Educação (www.planetaeducacao.com.br). E-mail: Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo..

Fonte da Imagem: Corbis.

Planneta - Todos os direitos reservados